“Seu Alfredo”, o poeta sertanejo que sonhava com a escola

Publicado: 01/03/2010 em Jornalismo
Tags:, , , , ,

“Sou Alfredo José Rosendo/Filho de Modesto e de dona Brisdinha/

Se eu não faço um poema melhor/É porque não frequentei a escolinha”

Por Pedro Moraes

As gotas geladas de uma suave garoa tocam suavemente na terra seca e árida, em um fim de tarde em que o chão quente do semiárido agradece aos céus pela benção de encontrar com sua fonte de energia, exalando assim, o cheiro de terra molhada, sinônimo de prosperidade na vida do sertanejo. O São João, árvore típica da biodiversidade local, abre suas flores, amarelas feito ouro, provando para quem duvidar que a beleza surge no improvável. Em torno deste cenário, que flerta entre o belo e a simplicidade, encontro seu Alfredo Rosendo, um lapoense de expressão forte, alto, de voz firme e corpo esguio, com 89 anos de histórias, causos e lições de vida. Em uma casa antiga, feita com as próprias mãos, “Seu Fredo” como é carinhosamente conhecido, mora em companhia de ilustres convidados: a música e poesia.

O cheiro do café passado na hora abre as portas para uma longa conversa sobre a vida, sonhos e a arte, despertada em 1985, quando seu município de origem, Lapão-BA, tentava se emancipar. Em versos simples, de um homem que nunca foi à escola, Fredo foi de encontro aos velhos coronéis da terra e declamou com garra e coragem a seguinte estrofe:

“Deixa de tanta promessa/ deixa de tanto esperar/ agora chegou a vez/ de Lapão emancipar. Lapão já foi muito atrasado/ só quem viu sabe contar / Só tinha duas escolas, mesmo assim particular/ Hoje, o Lapão já conta, no setor da educação / Com um dos melhores colégios da microrregião.  Lapão tem um povo hospitaleiro / Isso eu não nego / só faz muito fuxico na época da eleição / deixa de tanta promessa/ deixa de tanto esperar/ agora chegou a vez/ de Lapão emancipar”.

De acordo com Alfredo, na época, algumas famílias tradicionais reuniram 500 assinaturas em um manifesto contra a emancipação. “Eles alegavam que a cidade era a ponta da rua do município de Irecê, mas eles tinham interesses pessoais por trás disto, achei que não tava certo, porque Lapão já estava desenvolvida, foi então que tive a vontade de fazer meu primeiro verso e dei uma chicotada neles”.

‘Não tinha como estudar, e chorava’
Frequentar uma sala de aula foi o maior sonho do poeta sertanejo, porém os tempos difíceis da época de criança não deixaram sua aspiração virar realidade. Apesar de não poder ir à escola, sua vontade era maior que a maioria dos obstáculos. Com uma “banda” de toucinho de um porco gordo, doado pelo seu avô, foi para cidades vizinhas vender a mercadoria. Ao todo conseguiu 200 réis, dinheiro suficiente para comprar um livro ensinando a arte do ABC. “Quando meu avô trouxe o livro, só fui dormir quando aprendi a primeira carreira de letra, gravei até o ‘é’, depois fui tocando meus estudos para frente. Em quinze dias, já sabia ler. Meu avô morreu na grande crise de 32, e fomos trabalhar numa roça que só tinha onça e caititu. Lá, passei de inteligente e fiquei conhecido por fazer um cavaquinho com uma faca com apenas 12 anos, ficou tão bom que muitas pessoas quiseram comprar, acabei vendendo para comprar uma roupa bem bonita que fazia tempo que não tinha”.

Apesar do esforço, o garoto promissor ainda não sabia escrever até que a noiva do tio questionou: “Você já sabe fazer seu nome?” triste e envergonhado ele respondeu: “Não”. Foi então que a jovem segurou em sua mão e com um toco de madeira riscou o nome do menino para ele copiar. “Fiquei muito feliz, gravei aquilo e nunca vou me esquecer, saí correndo para mostrar a todos, mas muita gente não acreditou. Meus parentes só acreditaram de verdade quando a moça chegou e confirmou tudo. Sonhava tanto em aprender que quando ia comprar alguma coisa montado no lombo de um jumento, passava por perto da escola, amarrava o animal e ficava ouvindo eles aprenderem e passava a tarde toda. Quando chegava em casa minha mãe questionava você foi no Lapão ou no Japão?”, lembra o poeta.

Infelizmente, a vontade de aprender chocava com a dura realidade e o sonho de frequentar as salas de aula para se tornar “um homem letrado” se tornava cada vez mais distante. “Foi muita vontade, mas fiquei só na vontade. Minha mãe era viúva e tinha seis filhos, ela me dizia: ‘Vamos plantar um algodão se a lagarta não comer compro sua farda, e você vai para escola’, mas foram anos duros, a região passava por uma seca danada, sobrevivíamos com cuscuz de mucunam, que é um caroço vermelho e venenoso, mas colocávamos de molho, quebrava a casca e tirava uma folhazinha que tem dentro e moía. Então, realmente, não tinha como estudar e chorava que as lágrimas desciam. Fiz até um verso que é mais ou menos assim: Na idade de dez para onze anos / sorri pouco porque a coisa era muito feia / só comia um alimento que não era do mato / se fosse em casa alheia”.

“Hoje sei escrever um pouquinho e fazer umas continhas. Não leio cantando como um formado, mas graças a Deus, não sou cego”, ele diz. Mas, nem só de poesia se inspira Alfredo, o poeta sertanejo, que também “toca uns tonzinhos” para se divertir. “Comecei a tocar com 12 anos, na época que fiz o cavaquinho, via meu tio fazendo uns tons e fui aprendendo. Logo as pessoas me chamavam para bater uma sanfona e tocar violão, mas hoje é só para se divertir em casa. Toco umas músicas de igreja, uns sambinhas e uns sucessos de Amado Batista, Waldick Soriano, Vicente Celestino e Alvarenga e Ranchinho”.

Alfredo casou a primeira vez com 16 anos, teve dois filhos e ficou viúvo. Ainda jovem começou a labuta. Após a vida do campo, trabalhou durante 40 anos como barbeiro e marceneiro e conta orgulhoso que todo serviço era feito com prazer. “Gostava quando cortava o cabelo e o cliente exigia o corte e qualidade no serviço. Se fosse fazer um móvel, fazia com todo capricho, escolhia sempre uma madeira boa e buscava a perfeição. Fiz móveis que até hoje nunca descolaram uma placa. Ganhei fama por aqui, o povo comentava: ‘Esse é bom no machado’.”

Apesar de nunca ter lido um livro de poesia, os versos de Alfredo brotam com naturalidade. Com uma linguagem regional, rica em detalhes e lembranças de um povo sofrido e lutador, o poeta sonha em publicar seus versos, já impressos artesanalmente, feito cordel, e distribuído na cidade. Porém, esse almanaque vivo, simples, inocente e sábio, precisa de apoio para imortalizar suas lembranças, seja para falar de um sorriso de uma criança, uma gameleira ou de uma gruta, Alfredo deseja publicar um livro, e contribuir para deixar escrita na história a riqueza e a poesia do homem do campo.

CONTATO:

Telefone para recados: (074) 3657-1372

Anúncios
comentários
  1. stefani rosendo matos disse:

    Fiquei feliz em ver meu avô na primeira capa do jornal da sua cidade ele merece muito mais pois é um homem de muita integridade.Espero vê-lo em outra oportunidade.
    Obrigada a todos que fizeram essa matéria.
    Luis Eduardo Magalhães-BA

  2. MARCELA BARRAVENTO disse:

    AMEI ESSA HISTORIA …TOU INDO MORAR AI EM LAPAO, SOU ARGENTINA.

  3. Patrícia Morais Rosendo disse:

    Parabéns Pedro Moraes, excelente matéria! Me emocionei muito aqui.Tio Alfredo é um exemplo de integridade a ser seguido e a sua história de vida nos proporciona grandes reflexões acerca de vários aspectos relacionados à sociedade contemporanea em que vivemos.

  4. Patrícia Morais Rosendo disse:

    Pedro,
    Estou tendo o privilégio de receber a ilustre visita do meu tio Alfredo… Acabei de mostrar pra ele esta matéria.Precisava ver o brilho do olhar e o orgulho estampado no semblante… Escrevo este texto ouvindo os causos dele, dando muita risada e ainda ouvindo versinhos (risos). Simplesmente maravilhada, passaria o dia todo ouvindo essas estórias. É impressionante como tem boa memória… conta tudo com um entusiasmo e uma riqueza de detalhes que é impossível não se emocionar…
    Tudo isso é muito gratificante!
    Mais uma vez, parabéns e obrigada pela matéria!

  5. Ivanildo Teles de Souza disse:

    Seu Alfredo .
    Já tinha lido algo a seu respeito e fiquei mais impressionado com sua biografia. era assim mesmo na epóca da seca a mucunâ foi quem escapapou muita gente minha mãe falava disso. como tbm sentia necessidades de aprender a ler pedia ao pai quando ia a feira para trazer um abc , o mesmo trouxe uma enxada. Sou grato ao Senhor pois muitas vezes cortou meu cabelo acredito que algumas vezes levei o dinheiro outras vezes minha mãe pagava depois. uma pena que o Sr. não mencionou aqui que mesmo com sua simplicidade na barbearia e na marcenaria , seus filhos estudaram lembro-me de Djalma e do Doura. Sempre admirei seu Irmão Oscarino com aquela maravilhosa caligrafia o Senhor eu não conhecia este lado poético. Parabens que Deus continue lhe abençoando , indo a Lapão não deixarei de visitá-lo pois gosto das Histórias contadas pelos mais velhos principalmente quando são em versos e prosas. Meu nome é Ivanildo ( Bitê ) filho de Mira que foi zeladora do colégio de Lapão. talvez não lembre mas seus filhos sim. Um abraço.

  6. MOISEIS GOMES ROSENDO disse:

    MEU AVÔ É UM GRANDE EXEMPLO DE VIDA PARA MUITOS…VIVEU LONGOS ANOS DE SUA VIDA COM MINHA VÓ ALMERINDA, MULHER VIRTUOSA QUE IN MEMORIAM QUERO PARABENIZA-LA E TE PARABENIZO VÔ POR TUDO O QUE ÉS PARA TODOS NÓS AQUI DE L.E.M. PARABENIZO TAMBÉM A TODOS QUE FIZERAM ESSA REPORTAGEM.

  7. Ivanildo Teles de Souza (bitê) disse:

    Uma pena prometi que indo a Lapão visitaria seu Alfredo o que infelizmente não aconteceu , pois passando em frente a sua casa , a mesma estava fechada. um dia o encontrarei.

  8. Luciana Rosendo disse:

    Amei esta reportagem,bem elaborada e versos de sua própria fala! Sou sobrinha do tio Alfredo, da qui de Curitiba e meu pai é Gabriel Pereira Rosendo, também estou escrevendo as memórias de meu pai coletando dados por ele mesmo e de pessoas próximas.É emocionante para nós os Rosendos!

  9. KLEYTON ROSENDO disse:

    ALFREDO JOSE ROSENDO O ORGULHO DA FAMILIA, PARABENS ALFREDO UM ABRAÇO DO SEU NETO KLEYLTON GOMES ROSENDO, E QUE DEUS TE ABENÇOE QUE O SENHOR VIVA MAIS 100 ANOS,,,

    • Luciana Rosendo disse:

      Todos os Filhos de Gabriel Pereira Rosendo ama muito este tio,muito querido e poeta apaixonado,lindo!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s